Jornada Literária

Pela leitura engajada, apaixonada e crítica, vincular leitores, livros escritores. Esse é o propósito da Jornada Literária do Distrito Federal, evento de realização anual, iniciado em 2016. Reúne escritores, ilustradores, contadores de histórias e mediadores de leitura, que se apresentam para os participantes, com leituras, palestras, apresentações, espetáculos de literatura e oficinas de escrita e de ilustração.

Desde sua primeira edição, realiza-se em uma cidade fora do Plano Piloto, com o propósito de levar o livro, o autor e à leitura às pessoas de cidades como Paranoá, Itapoã, São Sebastião e Varjão, como foi na primeira edição, em 2016. E como está sendo em 2017, envolvendo a população do Gama, Santa Maria, Recanto das Emas e Samambaia.

Nas edições futuras, esse propósito prossegue, em busca de atender a quem mais necessita do estímulo à leitura. A proposta está de acordo com os parâmetros da Unesco, segundo a qual uma cidade leitora é formada pela presença de livrarias e bibliotecas; de livros e práticas de leitura nas casas das pessoas.

Nas cidades em que a Jornada está circulando, não há livrarias no sentido estrito do termo, embora papelarias vendam livros escolares; e há uma biblioteca, em média, por cidade, além das salas de leitura das próprias escolas. Mas também, ainda segundo a Unesco, uma sociedade leitora é formada por eventos no feitio da Jornada Literária do Distrito Federal. E é na busca dessa sociedade leitora, com recursos públicos de edital do FACDF que está sendo realizada a Jornada.

Sendo uma jornada, tem início bem antes do evento principal, a ocorrer nos dias 25 a 29, no Teatro Sesc Paulo Gracindo, no Gama; e prossegue até o mês de outubro, com a ida de escritores a escolas dessas cidades.

Não Jornada, são realizadas oficinas de mediação de leitura e de escrita criativa; também oficinas de ilustração. Nas de mediação de leitura os professores (mediadores de leitura privilegiados pela Jornada) são apresentados a uma metodologia ao mesmo tempo simples e refinada, para fazer chegar os livros aos leitores. Após essa preparação, recebem – por empréstimo – conjuntos de livros a serem lidos nas escolas, com os respectivos alunos. Esses alunos, por sua vez, além da leitura, fazem recriações – de textos ou de imagens – das obras lidas, tornando-os, também criadores. E, nesse processo, preparam-se para encontrarem-se com o escritor ou escritora ou ilustrador do livro lido.

Já as oficinas de criação literária são feitas para professores e alunos, numa busca de levá-los a se aproximarem mais e mais desse universo: ao saberem como se elabora um conto, por exemplo, tornam-se leitores mais acurados da prosa lida.

As oficinas de ilustração ocorrem durante o evento principal da Jornada, no Teatro Sesc Paulo Gracindo, com a presença dos ilustres ilustradores convidados. Em 2016, entre eles está Renato Moriconi, reconhecido no Brasil e no mundo pela beleza de sua obra.

O evento principal consiste em apresentações/encontros dos escritores com os leitores de suas respectivas obras. Durante aproximadamente uma hora, o autor ou autora tem a oportunidade de interagir com os participantes, ora lendo trechos das obras, ora respondendo a questões formuladas pelos participantes

Há também os espetáculos de literatura, como o Poesia em Voz Alta, em que um conjunto de poemas de um poeta convidado é lido e acompanhado de música recriada especialmente para essas obras. Nessa ocasião, os participantes são chamados a emitir sua opinião, sensações e sentimentos em relação aos poemas recitados. E o próprio autor dos poemas, presente, tem a oportunidade de responder a questões dos participantes.

Em outros espetáculos, os artistas apresentam performances de suas obras, de maneira divertida, buscando conquistar ainda mais as crianças, jovens e adultos para as obras literárias.

Desse conjunto de espetáculos, fazem parte a cantoria de repente; e também a musicalização de contos e cantos populares brasileiros.

Sob a curadoria de João Bosco Bezerra Bonfim, o projeto se insere no conjunto de ações de incentivo à leitura em que o leitor é privilegiado, ao lado do escritor ou ilustrador. E essa atenção ocorre graças à mediação de leitura, trabalhada antes, durante e depois do evento principal. Os recursos para a Jornada são provenientes do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FACDF), que vem contemplando o projeto em concorridas seleções públicas, tanto em 2015 (para 2016), quanto em 2016 (para 2017).