A segunda edição da Jornada ganhou a parceria do SESC-DF

A segunda edição da Jornada Literária do DF ganhou um parceiro de peso. Com base na bem-sucedida experiência do ano passado, no Paranoá, o SESC-DF decidiu apoiar o evento e vai ceder o teatro Paulo Gracindo, no Gama, para abrigar as atividades que reunirão autores, alunos e professores, de 25 a 29 de setembro. De acordo com Juliana Valadares, coordenadora de ações culturais do Sesc-DF, a entidade decidiu apoiar o evento porque a Jornada se encaixa nos princípios do Programa de Incentivo a Produções Culturais, que, segundo ela “consiste em abrir nossos espaços culturais para projetos culturais que tenham finalidades comuns aos princípios do Sesc em oferecer democraticamente e com fácil acesso à comunidade, programação cultural de qualidade”.

A ligação do Sesc com a literatura não é nova. Todos os anos o concurso para autores inéditos revela novos escritores na área do romance e do conto. No DF, em particular, são promovidos os concursos de contos, crônicas e poemas, com a publicação de antologias reunindo os melhores trabalhos. Esses prêmios literários existem há 15 anos, porque o Serviço Social do Comércio, de acordo com Juliana, entende que a literatura é um instrumento de educação e socialização.

A decisão de apoiar a Jornada, segundo a coordenadora, foi tomada porque o Sesc DF também promove ações que aproximam o público infanto-juvenil da literatura. “Para nós – autores, editores, distribuidores de livros – o SESC é uma das forças mais significativas para apoiar projetos de literatura. Em Brasília, fazem um concurso anual; no Brasil inteiro, fazem outro, de nível nacional. E, agora, apoiando diretamente um evento como este, reforça o papel na cultura literária, pois, no DF, já é bem ativo em teatro e cinema”, destaca João Bosco Bezerra Bonfim, curador da Jornada e participante do evento como autor.

O Sesc mantém uma relação muito forte com o Gama, sede da segunda edição da Jornada Literária do DF (o evento receberá alunos também de escolas públicas de Santa Maria, Recantos das Emas e Samambaia). Na cidade, que possui uma produção de teatro de bonecos bastante significativa, “o Sesc Gama procura mapear as ações culturais de escolas, grupos de interesse e artistas, oferecendo uma programação variada” explica Edson Gil Marques dos Santos, gerente do Centro de Atividades do Sesc do Gama. Ele dá como exemplo os projetos Sesc Dramaturgias, Festclown e Palco Giratório.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *